.mapa mensal (desde 03/01/09)

ip-location
Quinta-feira, 9 de Junho de 2011

Palavras

Um dia destes não pude deixar de sorrir às palavras de um político quando pedia aos portugueses, num dia de greve, que não desistissem de lutar pelo país. Como se pode desistir do país se o destino de cada português está directamente relacionado com o do país? Depois, como se pode pedir que a cada português que continue a lutar por um país que se esquece deles? O país não é só o território, são também, e sobretudo, as pessoas que nele habitam. A verdade é que o país está confinado às mãos de algumas pessoas que se governam bem mas não sabem governar bem o país. As notícias dão conta de corrupções cujos processos são queimados antes de chegarem às barras do tribunal. Mais suspeitas de corrupção sempre envolvendo dinheiros públicos que mais não são do que a soma dos impostos retirados dos ordenados, e não só, daqueles que lutam pela economia do país, dando o seu tempo e a força dos seus braços a empresas que, muitas vezes, não lhes pagam ou que, ao mínimo sinal de crise, resolvem o problema com o despedimento. O que dizer do caso daquela empresa que encerrou deixando imensos trabalhadores no desemprego até que a iniciativa de duas empregadas, aceitando o desafio, resolveram aproveitar o momento para criarem o seu próprio emprego e o de colegas? Isto é desistir do país? Parece-me que não. Nunca me passou pela cabeça que os trabalhadores portugueses desistissem do país. São sempre eles os primeiros a pagar cara a factura de qualquer problema existente no território onde nasceram. Todas as histórias que ouvi, referem a má administração como a causa mais frequente da falência das empresas privadas. São provavelmente também as gestões ruinosas as culpadas pelas derrapagens e a má gestão dos recursos empresariais. Como dizia um comentador de televisão, há que ter debaixo de olho os gestores por cujas mãos passam milhões de euros, para evitar a tentação. Nunca me esqueci destas palavras, bem reveladoras das gestões ruinosas que levam o país à ruína económica. O que leva o dirigente político a fazer tal pedido aos trabalhadores portugueses? Que moral têm os políticos, juntamente com a sua gestão danosa e enganosa, pedir seja a quem for que já dá tudo pelo pai em troca de tão pouco? Que políticos têm esse direito? Nenhum. Pelo menos, respeitem a revolta de um povo que não pode dar mais e a quem tiram tudo.

publicado por fatimanascimento às 09:58

link do post | comentar | favorito
|

.mapa diário de pensamentos

.mapa anual de pensamentos, desde 07 de Junho de 2008

ip-location

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Se agimos...

. Mudança

. perseguições

. Para quê...?

. Estamos no século XXI...

. Palavras

. Inteligência e natureza h...

. Mais do que...

. mudança

. Realidades

.arquivos

. Novembro 2014

. Julho 2012

. Junho 2012

. Março 2012

. Junho 2011

. Junho 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. A manifestação de Braga

.links

.contador

Free MySpace Counter
Musicians Friend Coupon

.Greenpeace

.URGENTE!

www.greenpeace.pt

.relógio

.leitores

online
blogs SAPO

.subscrever feeds